Até onde somos responsáveis por dar voz aos intolerantes🤦‍♀️*?

incrivelmentemediana   J.R. Franco

Preâmbulo: O homem só se cura quando aceita a sua própria hediondez .

 

Acredito que existem coisas que só acontecem comigo, se alguém me contasse diria que é caô(estorinha), como dizem os mais próximos são CARLICES. Vocês acreditam que recentemente sofri  “cyberbullying”?

Participo de um grupo de “estudo virtual”  que se reúne uma vez por ano, contudo no momento que me disponibilizei para o trabalho, percebi a cara de aversão da mediadora, e a intenção de me constranger com seu discurso de ódio e intolerância. A disposição corporal e atitudes falam mais que mil palavras.

Imagina a situação? A sala estava lotada, o clima ficou péssimo! Decidi não reagir, fiquei quieta. Contudo, depois fiquei mal. E resolvi tomar uma atitude.

 

 Procurei o outro coordenador(mediador) do trabalho, como também a direção do local e contei o ocorrido.

Falei para a diretora que a dita-cuja precisava de ajuda, tanto lixo, sentimentos ruins contra uma pessoa que ela nem conhece direito.

Também disse que já havia percebido a implicância da figura comigo, contudo naquele dia ela havia ido longe demais. Mas, eu já imaginava o motivo, tinha a ver com meu trabalho(advogada criminalista). É um tipo de  labor que a figura não entende, e nem pouco, tolera as pessoas que se dispõem a esse tipo de emprego.

Nem fisico, nem emocional.

Continuação👉🏻👉https://www.institutoliberal.org.br/blog/o-homem-massa/

 

2 pensou em “Até onde somos responsáveis por dar voz aos intolerantes🤦‍♀️*?

Deixe um comentário