O Ócio também é produtivo…

 

 

Trabalhadores de volta para casa☝🏽👆🏻. Edward Munch, representa a opressão e a ansieadade do trabalhador: são rostos pálidos, com olheiras perdidas que, tal como fantasma, retornam á noite para casa.

 

“É pelo trabalho que o ser humano se confronta com as forças da natureza e, ao mesmo tempo que a modifica transforma a si mesmo, humaniza-se.” Karl Marx

Existe um fenômeno que marca o cenário atual: A “falta de tempo” parece que os dias se tornam cada dia mais curto e o tempo passa cada vez mais rápido.

Por outro lado, a luta pela sobrevivência é grande. E a necessidade de sustento leva muitos indivíduos a priorizar o trabalho. E com isso acabamos normalizando o excesso de ofício, a falta de tempo, a exaustão, o estresse.

Além disso, o panorama atual exige o imediatismo, que acaba tendo como consequência: a pressa, e a sensação bem comum no nosso dia a dia. Mil coisas para fazer e parece que faltam horas no seu dia.

E tentar ser produtivo o tempo todo é improdutivo e altamente prejudicial. Já perdi as contas de quantas vezes que, mesmo cansada, me obriguei a consumir conteúdo e produzir algo, porque considerava o descanso improdutivo.

E o pior: Se sentir improdutiva porque precisava descansar  mas aí não conseguia descansar porque estava sendo improdutiva. É um ciclo infernal que não desejo pra ninguém.

Afinal, ser altamente funcional não é sinônimo de estar bem. Descansar também é uma forma de estar sendo produtivo.Uma pesquisa feita pela Universidade de Kansas mostrou que a “desconexão” depois do trabalho permite ter uma recarga muito maior de energia para o dia seguinte.

A prática ajuda a aliviar a chamada “fadiga de decisão”, que é a deterioração da qualidade das suas escolhas em virtude de longas horas de trabalho e decisões.

Aliás, é importante ressaltar que os sermões religiosos já pregavam a importância do descanso.  Seja através do segundo Testamento, “Deus criou o mundo em seis dias e no sétimo Ele descansou”, ou através de Cristo no sermão da montanha: “Contemplai o crescimento dos lírios dos campos, eles não trabalham nem fiam e , todavia”.

A defesa do ócio enquanto um momento de criação e reflexão, distinto, portanto da noção de “não fazer nada”, também aparece na literatura do ocidente como uma resposta à sociedade industrial que tornou os indivíduos cada vez mais atarefados e presos ao mundo do trabalho.

Decidi me libertar da exaustão como símbolo de status e da produtividade como fator de autoestima. Com a maturidade a gente aprende que desacelerar é tão ou mais importante que acelerar. Saúde mental, espiritual e física é o que vai nos manter firmes para seguir em frente!

Não precisa parar, basta desacelerar! Afinal, somos a peça fundamental dessa engrenagem, precisamos nos cuidar, respeitar o nosso tempo e   limite. Temos que aprender a ser gentil conosco.

Entretanto, também observo que a maioria das pessoas ocupa o tempo que sobra, o tempo livre, com mais afazeres e atividades, no lugar de usufruir um tempo para si ou dedicá-lo ao ócio.

Por outro lado, aqueles que procuram usufruir seu tempo livre se veem  diante do consumismo que o mercantiliza e o deteriora por meio de atividades pobres de significado e capazes de levar o ser humano à alienação.

Dessa forma, o ócio que na Antiguidade levava os sábios e filósofos a desenvolver ideias e teorias interessantíssimas sobre a vida, a natureza e o ser humano, passa a ser o tempo que leva ao nada. Bertrand Russel, em sua obra Elogio ao Ócio 👇🏿👇👇🏼, afirma que a educação atual ignora as necessidades dos indivíduos. Os componentes na formação de conhecimento têm como objetivos qualificá-los profissionalmente.

Ignorando os pensamento e desejo da pessoa, o tempo livre é ocupado com temas mais amplos, sem sentido e totalmente impessoais. Dessa forma o ócio, tem sido manipulado de tal maneira que se transformou em um mecanismo que gera ideias consumistas, ou seja, o tempo livre e o ócio são utilizados para falsas necessidades materiais. Isso pode ser facilmente constatado com a preponderância do Ter sobre o Ser, uma ambição desmedida por coisas, por “prosperidade”.

Por fim, cabe expor as ideias apresentadas por M. Cuenca em Ocio Humanista, dimensiones y manifestaciones actuales del ócio.

(…) Diante do mundo de evasão, distração e espetáculo que nos rodeia, o ser humano se torna cada vez mais limitado, cada vez mais dependente das máquinas, menos ator e mais espectador de uma realidade irreal. Falar do ócio se transforma nesse contexto num questionamento de cada um consigo mesmo, de como ser um pouco mais livre para fazer o se quer (…)A vivência de ócio é uma experiência que nos ajuda a nos realizar, nos conhecer, nos identificar, nos sentir melhores, sair da rotina, fantasiar e recuperar o equilíbrio das frustrações e desenganos”.

Momentos de lazer.💃 O que você faz para se divertir? Escrevo coisas que fazem as pessoas pensarem sobre a sua existência humana?

👉🏻👉🏽👉🏾https://veja.abril.com.br/comportamento/por-que-o-direito-ao-ocio-se-tornou-tema-inescapavel-no-pos-pandemia

incrivelmentemediana   J.R. Franco

Advertência📣 Colacionei o texto acima👆👆🏿👆🏼, a fim de que refletíssemos a nossa relação com a máquina.

Para saber+👉👉🏻https://lavrapalavra.com/2020/06/22/direito-a-preguica-e-ao-ocio-paul-lafargue/

2 pensou em “O Ócio também é produtivo…

  1. I’ve mentioned some sites below that are accepting guest posts,I would appreciate it if you would see them out and then, after you have done so, let me know which of these sites you would like to post on.
    If you are interested in any of these sites.

    bloombergnewstoday.com
    washingtontimesnewstoday.com
    topworldnewstoday.com
    chroniclenewstoday.com
    cnnworldtoday.com
    forbesnewstoday.com

Deixe um comentário